TEM CINZA DA FÊNIX NO CORAÇÃO BOTAFOGUENSE!

Seja o primeiro a comentar

Começo hoje mais uma etapa na Radio Botafogo escrevendo a Coluna “Juntos e Embolados”, frase que sempre utilizei nas transmissões dos jogos e nas aberturas do nosso Botafogo no Ar. O sentido dessa expressão é dar a certeza que estamos e estaremos sempre unidos pelo Amor ao Botafogo. Pois bem, fiquei pensando o que escrever nessa primeira coluna quinzenal e veio à cabeça a associação perigosa que vou fazer, sabendo que posso mexer com sentimentos diversos, mas, depois de refletir, percebi que temos muito em comum: O Botafogo e o Torcedor Alvinegro é Como a Fênix, Sempre Renasce das Cinzas.

A história de nascimento do Botafogo de Futebol e Regatas, como todos conhecem, começa a partir da morte de Armando Albano, o principal cestinha da equipe de basquete no jogo Botafogo de Regatas contra Botafogo FC, no dia 12 de Junho de 1942, sendo oficializada a fusão no dia 08 de Dezembro de 1942. Isso tudo você pode ler no livro “Como Esta Estrela Veio Parar no Meu Peito” do nosso amigo Rafael Casé que, aliás, me deu o prazer e a honra de conhecer Sr Arnaldo, o filho de 70 anos, que entregou a camisa de seu Pai ao Botafogo. Fico emocionado ao lembrar da conversa que tive com ele e saber que o Botafogo honrou seus compromissos de dar ajuda de custo para a educação dele até que completasse os 18 anos.

Utilizando uma coletânea de informações extraídas de um site educacional, vou misturar os aspectos mitológicos à nossa realidade para poder exemplificar com maior propriedade.

O Mito da Fênix ao morrer, este pássaro era devorado pelas chamas, ressurgindo delas uma nova Fênix, a qual juntava as cinzas de seu progenitor e, compassivamente, as conduzia ao altar do Deus Solar.

Os pesquisadores não chegaram ainda a um consenso sobre a duração da vida da Fênix; uns apontam quinhentos anos, bem mais que um corvo, também conhecidos como cornetas assumidos, o qual já vive muito tempo; outros garantem um prazo bem maior, aproximadamente 97 mil anos. Ao cabo de cada ciclo existencial, a ave sente a proximidade da morte, prepara uma fogueira funerária com ramos de canela, sálvia e mirra, e automaticamente se auto-incendeia.

No caso do Botafogo, os ciclos costumam ser mais curtos, dado que os dirigentes inescrupulosos preparam a fogueira e tentam incinerar o Clube e a Torcida a cada mandato, com raríssimas exceções, nos últimos 70 anos.

Ela também é conhecida por sua intensa força, que lhe permite levar consigo fardos de grande peso; segundo alguns contos, seria capaz de transportar inclusive elefantes. Olhem bem como a vida imita a arte e a história. Como somos supersticiosos, tendemos a acreditar que nada é por acaso. Para os povos antigos, a fênix simbolizava o Sol, que ao final de cada tarde se incendeia e morre, renascendo a cada manhã. Era conhecida como Pássaro de Fogo. Diante da perspectiva da morte, ela era considerada como um símbolo de esperança, de persistência e de transformação de tudo que existe, um sinal da vitória da vida e da inexistência da morte.

Nada exprime mais o Botafogo e o Torcedor Alvinegro que esse parágrafo em especial no momento em que vivemos mais uma crise sem precedentes na historia do clube, cuja última administração deixou nossos caixas lisos e uma dívida impagável no curto e médio prazo. Mas assim como diz a lenda, o Botafogo, nossa Fênix, será capaz de carregar esse maldito elefante na memória, amparada pelos ombros de seus torcedores.

Seu canto era extremamente doce, ganhando tons de intensa tristeza com a proximidade da morte. As lendas afirmam que sua formosura e sua melancolia influenciavam profundamente outros animais, podendo mesmo levá-los à morte.

Nossos cantos entoados nos estádios pelo mundo cansaram de influenciar nas nossas vitórias, e não são poucas, ajudam a destruir nossos adversários nos gramados. Parece até que a mitologia da Fênix foi feita para o Botafogo. Assim como a Fênix, a Estrela do nosso peito brilha como o fogo da maior estrela que conhecemos, o Sol.

Por fim, amigo torcedor alvinegro, afirma-se que somente um pássaro podia existir de cada vez, e que suas cinzas tinham o dom de ressuscitar alguém que já morreu. Só existe um pássaro que sempre existirá, o Botafogo, e suas cinzas estão espalhados no meu, no seu, nos nossos corações apaixonados. Basta um pequeno sopro e sua chama arderá como sempre. Quando estiver na rua, em família, no site da Radio Botafogo, nos estádios ou reunidos com os demais irmãos de camisa, sopre o coração dele e peça para ele soprar o seu, porque no peito de um Botafoguense, além de bater uma Estrela, tem uma FÊNIX.

Abraços Gloriosos

Aproveito esse pequeno espaço para pedir para vocês verem o Espaço Glorioso dessa semana. É uma emocionante homenagem ao Botafogo e nosso Maior Ídolo, Nilton Santos.

Publicado no dia

Deixe um comentário! 7


  • ZéJosé disse:

    bom dia brou Gajo, como te faço para mandar uma mensagem ou e-mail?

    • David Nunes disse:

      Fala Brou, beleza? Não sei se vc recebeu meu email, mas se quiser deixe seu email que te passo meus contatos. Abraço Brou

  • Agha disse:

    Boa tarde Gajo…Parabéns pelo novo site.
    Não existe mais o espaço para tópicos dos usuários?

    • David Nunes disse:

      Oi Agha, beleza? Sim, realmente esse espaço foi descontinuado. Dentro da nova concepção, com a modernização do site, infelizmente foi preciso encerrar. Avisamos ao longo de algumas postagens.
      abraço glorioso

  • Emerson disse:

    Mataram o jeito povao que era a radio. Brasileiro nao perde essa mania, foi bom enquanto durou!!! Nao vou fazer falta nenhuma isso certo, mas aqui nao volto mais, se um dia as coisas voltarem a ser como era, quem sabe!!!!

  • SERGIO disse:

    Acabaram com o Fórum. Bola fora. No mais um abraço a todos. Sergio Agra

  • David Nunes disse:

    Bom dia pessoal. O FÓRUM voltou. Agora tem uma aba específica, onde qualquer um pode colocar suas ideias e discutir com os demais irmãos. Fica do lado direito, na parte superior, ao lado das Regras. Não existe cadastro, basta apenas acessar com seu facebook ou e-mail e nome.