THE FLASH

Seja o primeiro a comentar

A série de TV “The Flash” fazia sucesso naquele começo da década de 1990. Tanto que o locutor Edson Mauro, o Bom de Bola, não teve dúvidas em associar a imagem do super-herói ao veloz Valdeir, que chegara ao Botafogo logo após a conquista do Campeonato Carioca de 1989.

Tinha apenas 21 anos e foi contratado por conta das boas atuações no Atlético Goianiense. Apesar de não ter porte de goleador, tinha feito 18 gols no estadual daquele ano.

No bicampeonato carioca, em 1990, jogou 20 das 23 partidas, marcou apenas um gol mas participou, como “garçom”, de vários gols marcados pelos atacantes Donizete e Carlos Alberto Dias.

Foi de Dias o gol na partida decisiva. Aquela na qual os cruzmaltinos não quiseram aceitar o resultado e, sem terem uma taça, deram uma volta olímpica com uma caravela de papelão que pertencia a um “geraldino”.

O time campeão formou com Ricardo Cruz, Paulo Roberto, Wilson Gottardo, Gonçalves e Renato Martins; Carlos Alberto Santos, Luisinho e Djair (Gustavo); Donizete, Valdeir e Carlos Alberto Dias. O técnico era Joel Martins.

No Carioca de 91 tínhamos tudo para tentar o tri. De 22 jogos, ganhamos 14 e só perdemos 1. Mas fomos derrotados na decisão do segundo turno e não chegamos à final.

A tristeza maior foi em relação ao Campeonato Brasileiro de 1992. Éramos os favoritos. Tínhamos um time muito bom e fizemos a segunda melhor campanha da primeira fase. Na segunda fase, ficamos em primeiro num grupo com Cruzeiro, Corinthians e Bragantino. Chegamos à final contra o time da beira da Lagoa com a vantagem de 2 empates.

A torcida estava empolgada. Além de Valdeir, tínhamos Renato Gaúcho, Carlos Alberto Santos, Carlos Alberto Dias, Válber, Márcio Santos e Ricardo Cruz.

Só que uma pane primeiro tempo (gols aos 15, 34 e 38 minutos) do primeiro jogo da decisão nos fez dar adeus ao título. Na segunda partida empatamos em 2×2 e perdemos uma das taças mais ganhas de nossa história.

Valdeir foi vendido para o Bordeaux, da França. Voltou ao Brasil e jogou por várias outras equipes. Porém, nunca escondeu o carinho pela Estrela Solitária e a dor de cotovelo de não ter conquistado aquele título.

Mas, por tudo que fez pelo Fogão, Valdeir, o “The Flash” merece o “carimbo” do Casé.

PS: O dia de hoje não pode passar em branco. Dia 8 de dezembro, dia de N.S. da Conceição, padroeira do nosso clube. Hoje o Botafogo de Futebol e Regatas completa 74 anos.

Publicado no dia

Deixe um comentário! 1


  • Eduardo disse:

    Realmente tínhamos tudo na mão em 1992, pelo menos na teoria. Os caras souberam aproveitar nossa fraqueza pelo lado direito e deitaram e rolaram no 1º tempo. Ainda tivemos chances claríssimas de reduzir na etapa final. No segundo jogo já entramos praticamente derrotados. Uma tremenda decepção, mas faz parte do esporte conviver com vitórias e derrotas.