Redes Sociais

David Nunes - O Gajo

Os Jornalistas brincam de profissionalismo. Eles “legislam” em causa própria. Entenda as razões.

Juca Kfouri – “Tomara que todos os times que venderem mandos caiam para a segunda divisão. O Vasco, por exemplo, já vendeu e enfrentou o Corinthians em Manaus. Porque a segunda divisão tem o tamanho dos vendilhões do templo.”

Publicado

em

A motivação foi o Botafogo ter entrado com pedido de anulação da partida em função do erro de Direito cometido pelo árbitro no jogo contra o Palmeiras.

Apesar dessa opinião, os jornalistas estão divididos em relação ao direito do Botafogo em solicitar a anulação do jogo. Independentemente de qualquer coisa, os jornalistas precisam entender que Lei, Regra, Regulamento e Palavra são coisas que precisam ser cumpridas, seguidas, fortalecidas, ter credibilidade. Não basta ter apenas uma opinião.

Diferentemente de nós torcedores, os jornalistas precisam saber separar os debates técnicos, profissionais, das opiniões pessoais sobre algum tema. As duas coisas são válidas, mas precisam ser éticos o suficiente para não “legislarem em causa própria” e deixarem claro o que é opinião, e o que é DIREITO.

Não se trata de estarmos certos ou não. Trata-se de um DIREITO que o Botafogo, e todos os clubes tem, de questionar algo que o prejudicou, independentemente de termos méritos técnicos ou não, no resultado da partida.

Esquecem que agora a o Clube será melhor ou pior remunerado de acordo com sua posição na tabela de classificação. Que o Clube foi prejudicado com 11 cartões amarelos em 12 faltas. Que 5 deles foram em função do lance do pênalti e que isso prejudicou técnica e emocionalmente os jogadores em campo, pois poderiam ser todos expulsos em qualquer lance adicional.

– O árbitro vai alegar que não deu autorização, de fato não tem ele apitando como deveria ter feito para que o jogo reiniciasse. Vão dizer que o Gatito se antecipou e mandou a bola para frente sem autorização. Não tem a menor chance. Uma palhaçada equivalente a quem vende mando de campo. Eu vou voltar a dizer: vender mando de campo, como o Vasco fez, como o Botafogo fez… O Vasco, contra o Corinthians, para Manaus, o Botafogo, contra o Palmeiras, para Brasília, o CSA, contra o Flamengo, para Brasília, merecem cair. Não terei consideração se caírem os três. Aplaudirei – opinou Juca.

Boa parte dos torcedores também divergem sobre a venda do jogo do Botafogo, alegando que isso acabou invertendo o mando de campo para o Palmeiras, que o time teve que viajar, que os R$650 mil não justificam, que prejudicou o DIREITO do Sócio Torcedor que comprou os jogos, que a Diretoria mais uma vez foi Amadora porque só o fez por conta da incompetência dos dirigentes de não conseguir gerar receita suficiente para não precisar usar desse artifício. Outros, dos demais Estados, acham que também tem o DIREITO de assistir seu time que tanto AMA. Mas nós podemos discutir assim. Somos TORCEDORES.

Mas, esquecem os senhores jornalistas, alguns Babacas, que estamos exigindo que o Futebol se profissionalize, valorizando o trabalho exemplar que Flamengo, Palmeiras, Grêmio, Atlético PR e outros clubes vem fazendo, quando colocam a opinião de acordo com seus interesses e não pelo fortalecimento do ecossistema do futebol, garantido pelo menos que tudo seja feito de acordo com as regras, com as Leis e regulamentos.

Bom, sendo reconhecido ou não o DIREITO, precisamos fortalecer a CREDIBILIDADE do Campeonato e do Futebol Brasileiro. Precisamos profissionalizar em todos os aspectos.

Esquecem que a CREDIBILIDADE de um campeonato sério trará maior valor agregado ao produto e, portanto, aumentará a demanda e a procura de novos interessados pela sua transmissão, no Brasil e no Exterior.

Saudações Alvinegras e Abraços Gloriosos

DAVID NUNES

Clique para Comentar

Newsletter

Anúncio Patrocinado

Facebook

%d blogueiros gostam disto: