Redes Sociais

Colunas

OSWALDO BALIZA, O GOLEIRO QUE TRAVOU O “EXPRESSO DA VITÓRIA”

Publicado

em

Oswaldo Alfredo da Silva, o Oswaldo Baliza, nasceu em 09/10/1923 em Tanguá (RJ) e nos deixou em 30/09/1999 no Rio de Janeiro.

O APELIDO DESDE A ÉPOCA DAS PELADAS E O FÍSICO PRIVILEGIADO

Desde garoto, Oswaldo escutava repetidamente a mesma frase da molecada: “grande deste jeito, é melhor você jogar na baliza!”

De fato, o garoto sempre foi grande e na idade adulta com 1,91 m de altura, construiu uma carreira sólida caracterizada pela boa técnica, arrojo, coragem e ausência de defesas espalhafatosas.

 

A VIBRAÇÃO A CADA GOL

Não obstante a sobriedade, Baliza se permitia a extravasar a energia que guardava dentro de si, a cada gol do Botafogo: ele corria ao encontro dos companheiros, mesmo que fosse na área adversária ou na linha de fundo e vibrava como torcedor, naquele bolo de jogadores, para depois voltar correndo para a sua “xará” baliza, antes do reinício do jogo e para um certo desespero de alguns que sempre achavam que não daria tempo. Mas, felizmente, sempre deu…

O INÍCIO DA CARREIRA E A ESTREIA INESQUECÍVEL

O início da carreira foi no Ypiranga de Niterói, tendo sido convocado para defender a Seleção do Estado do Rio de Janeiro em 1943.

Suas excelentes atuações pelo selecionado, possibilitam sua transferência para o Glorioso no final 1943.

Defendendo a Seleção do Estado do Rio

Seu jogo de estreia no time principal não podia ser melhor: em 08/03/1944, em São Januário, contra o Flamengo. O jogo terminou 6 X 2 e um trio de atacantes marcou cada um 2 gols para nós: Afonsinho, Reginaldo e o inesquecível Heleno de Freitas.

Tornou-se de fato titular em 1946 no lugar de Ari.

 

LONGA CARREIRA NO GLORIOSO, UM TÍTULO MARCANTE E HOMENAGEM DA IMPRENSA

Baliza ficou em nosso clube até 1952, atuando em 258 jogos.

Conquistou alguns títulos pela equipe de aspirantes (Campeonato Carioca 1944 e 1945), Torneio Início de Profissionais (1947) e Torneio de Porto Alegre (1951) contra Internacional e Grêmio.

Mas sem dúvida, o título mais importante e marcante foi o Campeonato Carioca de 1948 (o único título de nossa história conquistado em General Severiano), batendo o “invencível” Expresso da Vitória como era conhecido o time do Vasco da Gama por 3 X 1, gols de Paraguaio, Braguinha e Octávio.

Sua atuação inesquecível nesta final, rendeu uma homenagem da imprensa à época, nas manchetes do dia seguinte e que perdurou por algum tempo: “Oswaldo Baliza o goleiro que travou o Expresso da Vitória”.

Botafogo campeão de 1948 – General Severiano lotado.

SOBRIEDADE SIM, MAS TAMBÉM PERSONALIDADE FORTE

Convivendo por alguns anos com o gênio (em todos os sentidos) de Heleno de Freitas, em 1946 logo após assumir a titularidade, irritou-se com o supercraque em dois jogos, quando Heleno gesticulou acintosamente após 2 gols sofridos, dando a entender que foram frangos.

Após o segundo jogo, no vestiário, Baliza aproximou-se de Heleno e disse: “eu não sei jogar na linha, nem você no gol. Na próxima vez que insinuar que eu fiz merda em algum gol sofrido, eu parto para cima de você e lhe quebro a cara em campo”.

Surpreendentemente, ali, Baliza ganhou o respeito do irascícel Heleno.

Baliza, Heleno, Paraguaio e Gérson

SELEÇÃO BRASILEIRA

Após ser Campeão Carioca, foi convocado pela primeira vez para a Seleção Brasileira em 1949.

Pelo Brasil atuou como titular em 2 jogos, sem ter sofrido gol: em 17/04/1949 pela Copa América (então chamado de Campeonato Sul Americano) – Brasil 5 X 0 Colômbia e em 20/04/1952 pelos Jogos Pan-Americanos – Brasil 3 X 0 Chile.

Nestas duas ocasiões fez parte da delegação campeã: Copa América de 1949 e Jogos Pan-Americanos de 1952.

Chegou a participar da preparação para Copa do Mundo de 1954, mas foi preterido no último corte e o Brasil seguiu para a Suíça com os outros 3 goleiros da delegação: Castilho, Veludo e Cabeção.

4 goleiros da seleção da esquerda para a direita: Veludo, Cabeção, Castilho e Baliza.

SERIA PIADA, MAS FOI VERDADE: “Cambio en Brasil: Castilho por yo”

Nos tempos em que eram comuns os conflitos em partidas entre brasileiros e uruguaios, bastava o pau comer em campo para que os 22 jogadores e os integrantes da comissão técnica também entrassem na briga.

Em uma dessas partidas jogadas no estádio Centenário, o ambiente estava de tal forma agitado que por duas vezes os titulares e os reservas já tinham se engalfinhado.

Foi quando o destacamento de polícia do estádio decidiu tomar uma atitude definitiva: pelos alto falantes do estádio comunicou que, daquele momento em diante, quem invadisse o gramado seria preso imediatamente.

Pouco depois, estourou outra confusão e o distraído e desavisado Oswaldo Baliza entrou em campo nervoso e com os punhos cerrados.

Percebeu rapidamente que estava sozinho e, para piorar, que dois policiais montados a cavalo e com enormes sabres nas mãos, vinham rapidamente em sua direção.

Continuou correndo como estava, e foi em direção ao árbitro e já despindo seu agasalho gritando forte para que todos ouvissem: “Cambio en Brasil, Castilho por yo”.

 

DESPEDIDA DO FOGÃO E FINAL DE CARREIRA

Baliza ficou no Botafogo até 1952 e o último jogo foi um amistoso contra o América (MG), com o placar de 2 X 2, com Dino marcando os nossos 2 gols.

No ano seguinte teve uma breve passagem pelo Vasco da Gama, antes de defender as cores do Bahia, onde foi campeão estadual em 1954.

Posteriormente, entre 1955 e 1958, Oswaldo jogou pelo Sport Club do Recife sendo três vezes campeão pernambucano nos anos de 1955, 1956 e 1958.

Amizade com Biriba.

Apenas e Sempre Botafogo! Saudações Alvinegras!

Pesquisa:

http://terceirotempo.bol.uol.com.br

Wikipédia

https://tardesdepacaembu.wordpress.com

http://datafogo.blogspot.com.br

http://mundobotafogo.blogspot.com.br

Arquivos Pessoais do autor.

2 Comments

Newsletter

Anúncio Patrocinado

Facebook

%d blogueiros gostam disto: